segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Infancia

Saudade dos tempos em que era comum sair pela rua descalça, apostar corrida de bicicleta e brincar de pega-pega na famosa grade amarela. De quando não havia segundas intenções e que o nosso único objetivo era se divertir o máximo até o relógio marcar 22hrs e eu precisar correr pra casa para não receber um castigo. Mas sempre atrasava e no dia seguinte ficava trancada em casa, sem TV, sem rua e sem brincadeiras.
Como toda criança, conseguia driblar o castigo, colocava legendas na televisão, e quando ouvia passos, desligava e ficava olhando para a parede como uma garotinha inocente e obediente.
 Nas férias, a alegria era contagiante. Todo dia era dia de diversão, acordava de manhã cedo, corria e me arrumava para ir ao clube, virávamos peixes, sereias, tubarões e mergulhadores. Detetives, jogadores, adultos, bebês e mais o que a força da imaginação nos permitisse criar. Chegava em casa e corria pro banho, ainda tinha muita brincadeira pela frente.
 Era esconde-esconde atrás de carros, invasão de casas abandonadas, pega-pega,  corrida de bicicleta e vídeo game com tempo marcado pela dona que se divertia apenas anotando as horas em seu caderninho do perna longa sentada em sua cadeirinha vermelha.
 Na hora de dormir sonhava com um dia melhor que aquele e desejava que a infância durasse pra sempre.

2 comentários:

Sabrina O. disse...

ê saudade grande desses bons tempos que não voltam mais,que saudade de tudo, lindo o texto amiga, so me deixou trise porque me bateu uma saudade das coisas que fazia e que hoje ficaria meio que sem logica fazer porque sou grande demais pra isso, nova demais praquilo, pois é ne, fazer mais o que? só o que restou foi saudades e lembranças que levaremos pra vida toda,e ainda tem muito pra rir e recordar.
Beijos amiga

Amanda Brito disse...

é, taaanta saudade D: